sábado, 7 de dezembro de 2013

UMA NOVA ESTRELA PARA O HEMISFÉRIO SUL



As noites do hemisfério Sul estão sendo iluninadas  por uma estrela nova da constelação do Centauro.  Quando foi descoberta pelo astrônomo australiano John Seach em 2 de dezembro, a nova tinha uma magnitude de 5,5 e está aumentando.  Suas coordenadas (J2000.0) são RA =13h 54m 45.34s, Dec =-59° 09' 04.2”, o que permite, a maior parte dos gaúchos,  observá-la a noite inteira, enquanto que na região Sudeste do Brasil, ela nasce a partir da meia noite aproximadamente e em Belém (PA) por volta das 2 da manhã. 

A figura abaixo mostra um esquema do céu na cidade de  São Paulo para o dia 7 de dezembro as 4:00 da manhã, quando a elevação da nova é de 20°.  Para achá-la basta seguir a linha imaginária que forma o braço menor do Cruzeiro, em direção da brilhante estrela Hadar, ou β Cen (para o Suleste). A pequena cruz vermelha da figura indica a posição da nova.   



Abaixo, uma foto  tomada por Rogério Marcon de Campinas em 5 de dezembro mostra a mesma região do céu. No destaque da foto, Rigel (α Cen) , Hadar (β Cen) e uma flecha que indica a posição de Nova Cen 2013.


No seguinte link, uma imagem animada mostra o campo visual antes e depois da aparição da nova:   http://i176.photobucket.com/albums/w189/walcom77/pnv_cen_animation_T31_3_december_2013_zps83b608d2.gif~original

Nova Centauri 2013 ou PNV J13544700-5909080, como foi batizada, parece se tratar de uma nova clássica, produto de uma anã branca acretando matéria de sua companheira.  Aínda não se tem dados da distância ao objeto mas algumas pessoas  já estão arriscando que será uma das maiores novas de todos os tempos. Na Figura abaixo, um espectro em torno da linha de Hα obtido por Rogério Marcon.




Mais informações na American Association on Variable Stars Observers  (http://www.aavso.org/aavso-alert-notice-492).

Carlos Guillermo Giménez de Castro
(CRAAM - Mackenzie)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

ESO MAIS PRÓXIMO DA APROVAÇÃO FINAL


O Acordo de Adesão do Brasil à ESO deu mais um passo rumo à aprovacão final. Em 20 de novembro de 2013, foi designado o Relator da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), Dep. Eduardo Sciarra (PSD-PR). Apenas duas semanas depois, 5 de dezembro, o Relator apresentou parecer favorável pela constitucionalidade, juricidade e técnica legistativa do acordo, o qual pode ser ido na íntegra no link:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1207470&filename=Tramitacao-PDC+1287/2013

Agora só falta a comissão Comissão de Finanças e Tributação (CFT), cujo relator já foi designado, Dep. Afonso Florence (PT-BA) em 26 de setembro.

Para acompanhamento do processo na Câmara utilize o link:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=591830&ord=1

Adriana Válio
(Presidente - SAB)

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

O DIA DO ASTRÔNOMO


Há muito que a Astronomia deixou de ser "apenas" um campo da ciência, de pesquisa básica. Sua multidisciplinaridade a tornou um importante vetor de ensino e divulgação científica. Isso sem mencionar os avanços tecnológicos constantes, propiciados pelo desenvolvimento de novos instrumentos. Astrônomos empurram os limites da tecnologia, têm a responsabilidade de contextualizar a existência humana no universo, despertando a curiosidade do grande público e, com isso, são responsáveis também pelo engajamento dos jovens em ciências. O imaginário despertado pelas imagens astronômicas e pelo estudo do espaço é facilmente absorvido pela curiosidade infantil, fato este atestado pelo enorme sucesso das Olimpíadas de Astronomia.

Basta tomar o exemplo recente do cometa ISON que mobilizou entusiastas do mundo inteiro em uma campanha que durou quase um ano, intensificando-se nas últimas semanas. Nem a confirmação do bóson de Higgs foi capaz de gerar tanta atenção. O grande interesse do público e a enorme cobertura da mídia trouxeram um volume de informações dos mais diferentes campos da física, biologia, química e claro, da astronomia. Contextualizado e bem trabalhado, eventos como esse representam uma porta de acesso lúdica e didática ao método científico. O papel do astrônomo hoje está intimamente ligado ao aprimoramento do ensino e da popularização da ciência.

O dia 02 de dezembro ficou conhecido como o dia do astrônomo, que começou a ser celebrado informalmente na década de 1980. A data foi instituída pela assembléia legislativa do estado do Rio de Janeiro em 2006 e no âmbito federal, tramita um projeto de lei desde 2009 visando instituir a data nacionalmente. Ela coincide com a data de nascimento do imperador D. Pedro II, um grande entusiasta das artes e ciências, em especial da astronomia. No âmbito internacional, adota-se o dia 08 de abril como o dia mundial da Astronomia.

Que todos nós tenhamos céus limpos e escuros em nossas trajetórias! Feliz dia do astrônomo!

Cássio Leandro Barbosa
(UNIVAP)

domingo, 17 de novembro de 2013

ACORDO ESO APROVADO TAMBÉM PELA CCTIC



Em 8 de novembro de 2013, o relator Dep. Jorge Bittar (PT-RJ) da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) emitiu seu parecer favorável ao Acordo de Adesão do Brasil à ESO, o qual pode ser acessado no link:


Apenas cinco dias depois, em 13 de novembro, o relatório foi aprovado pela CCTIC. O áudio da sessão pode ser ouvido através do link:



O Relatório ressalta que o Brasil tem acesso aos telescópios desde 2011 e que até hoje já foram obtidas um total de 147 noites de observação por brasileiros. A estimativa do custo por noite é de aproximadamente 50.000 a 100.000 euros dependendo do telescópio.

Além de tempo em telescópios, o relator enfatiza os benefícios também para a indústria nacional. A construção de grandes instrumentos de alta tecnologia terá impactos em áreas paralelas, inclusive industriais. Lembrando que as normas internas do ESO estipulam que 75% dos investimentos de um dado país devem retornar como benefícios à indústria local. Espera-se também um desenvolvimento da atividade aeroespacial.

A formação de cientistas brasileiros certamente se beneficiará de uma maior inserção da comunidade científica brasileira na internacional. A única maneira dos astrônomos brasileiros terem acesso ao ALMA é através deste acordo.

Por fim, o relatório avalia os benefícios ao Brasil resultantes da adesão à ESO como:
       Aumento da produção científica e tecnológica brasileira;
       Desenvolvimento da educação superior brasileira nas carreiras científicas;
       Bens e serviços de empresas brasileiras via concorrência para construção de novos instrumentos;
       Aprendizado tecnológico da indústria nacional em setores de ponta da indústria europeia;
       Programas de popularização de ciência da ESO trarão benefícios para o sistema de ensino médio, básico e fundamental.

A próxima comissão importante agora é a de Finanças e Tributação (CFT), cujo relator é o Dep. Afonso Florence (PT-BA).


10 ANOS DO MINIOBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO DO INPE


Adultos, adolescentes e até crianças de 6 anos formaram o público que prestigiou as atividades em comemoração aos 10 anos do Miniobservatório Astronômico do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP). No dia 30 de outubro, equipe da Divisão de Astrofísica se mobilizou para receber os visitantes, muitos deles funcionários e colaboradores do próprio instituto.




Foram programadas duas sessões para visualização do céu com o telescópio - uma no período da tarde e outra à noite - e ainda uma palestra. Das 14h às 16h, os visitantes puderam observar o disco do Sol. “Usando filtros astronômicos apropriados que cortam 99,99% da luz visível, captamos imagens e observamos dois grupos proeminentes de manchas solares entre aqueles presentes naquele dia”, conta André Milone, pesquisador da Divisão de Astrofísica do INPE.

Além de ter a oportunidade de utilizar o telescópio, cerca de 20 visitantes foram atendidos por estudantes do Programa de Pós-graduação em Astrofísica do INPE, que deram explicações sobre o Sol e apresentaram sites astronômicos que disponibilizam imagens do astro em outras faixas do espectro eletromagnético. Como se repetiu à noite, pesquisadores e pós-graduandos demonstraram o uso de planisférios e auxiliaram no reconhecimento dos astros no céu a olho nu.

Um público maior, de aproximadamente 100 pessoas, participou das atividades noturnas, entre 19h e 21h30. Palestra proferida pelo pesquisador José Williams Vilas-Boas abordou o nascimento do Sistema Solar e, em seguida, os visitantes partiram para a observação do céu noturno. Alem do telescópio do Miniobservatório, três outros foram usados.

“Colocamos outros telescópios no entorno do prédio do Miniobservatório, sendo que dois deles foram construídos durante um curso de extensão para professores”, conta Milone. “Todos os visitantes viram o planeta Vênus bem brilhante. No telescópio principal foi possível observar com aproximadamente 190 vezes de aumento. Alguns visitantes conseguiram ver um aglomerado globular apesar das condições atmosféricas bem adversas (o céu estava sendo coberto por nuvens)”, completa o pesquisador do INPE.

Visitas regulares

O Miniobservatório Astronômico foi inaugurado em 2003 para dar suporte às atividades de difusão, pós-graduação e pesquisa da Divisão de Astrofísica da Coordenação de Ciências Espaciais e Atmosféricas do INPE, que mantém um programa regular de visitas semanais direcionadas a estudantes a partir do 4º ano do ensino fundamental.





Cada visita é constituída pela visualização de astros com telescópio, caso as condições de céu permitam, e por uma palestra sobre um tema astronômico, ministrada por um pesquisador em Astrofísica. As visitas devem ser previamente agendadas, de acordo com os procedimentos informados no site do Miniobservatório: http://www.das.inpe.br/miniobservatorio/visitas.php

André Milone (DAS/INPE)

domingo, 20 de outubro de 2013

GIANT MAGELLAN TELESCOPE (GMT) NA FAPESP


Em outubro de 2011 um conjunto de 26 pesquisadores com doutorado em Astronomia, trabalhando em instituições do estado de São Paulo, submeteu à FAPESP uma proposta de participação no Projeto GMT (Giant Magellan Telescope).  Sobre o telescópio assista ao video:
Esse é um projeto de construção de um telescópio de 24 m, a ser instalado em Las Campanas. A FAPESP submeteu a proposta a pareceristas internacionais e, há alguns meses, recebemos cópias dos pareceres, todos extremamente positivos. Em função disto e antes de tomar uma decisão definitiva, a FAPESP solicitou que respondêssemos a quatro questões e realizássemos um workshop científico, nos moldes do que foi feito no processo de avaliação do LLAMA.

Estamos organizando esse workshop para os dias 13 e 14 de novembro próximo. Na oportunidade contaremos com a presença e apresentações de Wendy Freedman, Presidente do Board of Directors e de Pat McCarthy, Diretor do Projeto GMT. Além disto, estamos convidando diversos pesquisadores de instituições do estado de São Paulo e alguns de outros estados para fazerem uma breve apresentação de um trabalho científico de livre escolha. O evento terá início no dia 13 as 9:30 e será realizado no auditório da FAPESP.

João Steiner (IAG-USP)